Fractura

Despedaça expor essa fractura
espiar por ela os meus amigos,
fechados vários peitos, várias artérias,
pela máquina morte removidos.

Escritas daninhas: pouca me sinto já
para expurgá-las! Em lava aluem,
riscam a lume páginas estremes,
e um braço na tormenta salienta-se das vagas,

frutífero implanta-se
no seio do nosso corpo escasso.
Membro em viço, irmão braço vem
por dentro semear-nos!

Luiza Neto Jorge 1939 – 1989

Tempo total: 6:53
Uma fotografia de Vigyorgombóc
Música: Hauschka – Eisblume
Mix: Anatoly Brooks

ZIP

MP3